Mudas de Amora Branca - Taiuva

Desconto especial em compras acima de 20 unidades
Mudas Amora embalagem com uma unidade
As mudas serão enviadas somente por Sedex, ou entre em contato para outro método de envio
R$ 6,50
→ Desconto à vista no depósito bancário
→ 1 x de R$ 6,50 no cartão de crédito

O nome Taiúva (Maclura tinctoria) vem do tupi guarani e significa “árvore do leite amarelo” visto que tanto os frutos ou o tronco e galhos feridos exsudam um látex amarelado.

Trata-se de uma espécie nativa das mais variadas formações florestais, desde o México até o sudeste do Brasil, Bolívia, Argentina e Paraguai.  

 

São indivíduos de grande porte, crescendo de 8 a 15 metros de altura. O tronco é amarelado e exsuda leite amarelo quando cortado. Os ramos novos têm espinhos pontiagudos, e as folhas têm margem serrilhada. As flores são dióicas, ocorrem em arvores separadas, sendo necessário plantar três exemplares para que ocorra a produção dos frutos que se dá apenas nos indivíduos femininos.

 

Tem crescimento rápido e que se desenvolve em qualquer tipo de solo com boa fertilidade natural. Pode ser cultivada em todo o Brasil, pois resiste a geadas de até – 3 grau e a secas não muito longas. Desenvolve-se até em solos pedregosos. No Estado de São Paulo é muito comum, e foi explorada em grande escala nas lavouras pela madeira resistente. 

 

As sementes são minúsculas e perdem o poder germinativo rapidamente. É melhor plantar em sementeira e depois transplantar as mudinhas para embalagens individuais. A germinação ocorre em 30 a 45 dias, e as mudas crescem rápido, mas apreciam ambiente sombreado para formação. A frutificação inicia-se com 4 a 6 anos, dependendo do solo e tratos culturais.

 

Pode ser plantada a pleno sol ou em reflorestamentos mistos para aproveitamento da madeira e dos frutos, atrativos da avifauna. No pomar planta-se num espaçamento de 7 x 7 m, em covas profundas com bastante matéria orgânica. Irrigar com 10l de água por semana nos primeiros 2 meses e cobrir a superfície da terra com capim seco ou serragem para manter a umidade. 

 

A espécie requer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco, caso deseje que a arvore cresça ou caso prefira que produza uma copa arredondada, pode o broto terminal quando a planta estiver com 2,50 m de altura e faça podas de modelagem. Adubar com composto orgânico, pode ser (6 litros) cama de frango + 50 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 4ª ano.

 

Os frutos maduros adquirem a coloração amarelo esverdeado, são muito doces, com sabor forte e agradável. Podem ser consumidos in-natura e na forma de sucos e doces. A florada é de outubro a novembro, frutificando de dezembro a janeiro.

 

A seiva possui propriedades cicatrizantes e antiinflamatórias, e é consumida em forma de chá, e o leite da taiúva diretamente nos dentes inflamados os fazem trincar, para aliviando a pressão e iniciando a cicatrização.